Sálvia
Salvia officinalis

Salvia
Sage
Sauge

Histórico

Do latim salvere (salvar), a sálvia guarda sua reputação de “erva da longevidade”, desde os tempos antigos. Para os romanos, era uma erva sagrada. Muito valorizada pelos chineses, no século XVII, eles trocavam, com comerciantes holandeses, três baús de chá por um de sálvia. Os egípcios usavam a sálvia para aumentar a fertilidade. O uso medicinal e culinário é muito difundido na Europa, Ásia e Américas.

Uso culinário

Suas folhas aveludadas emprestam fina decoração em pratos prontos para servir. A sálvia é muito usada na cozinha alemã e do norte europeu, no preparo de salsichas e carnes mais ricas em gordura. Na Itália, também é utilizada no saltimbocca e no fígado.

Uso terapêutico

A infusão de folhas de sálvia ajuda na digestão após as refeições. É recomendada como anti-séptico, para o tratamento de dores de garganta e irritações da pele.

Observação importante:
Qualquer uso terapêutico deve sempre ser acompanhado por um médico.

Replantio

Para que sua planta continue a crescer e tenha maior longevidade é recomendado o replantio.
Em um vaso maior, em uma jardineira ou em um canteiro de jardim sua planta encontrará uma área de solo mais ampla, favorecendo a continuidade do desenvolvimento de sua raiz.
Respeite as características descritas no quadro abaixo. Elas indicam as condições ideais para o sucesso do replantio.
Luminosidade Água Granulação do solo argiloso      médio      arenoso
Fertilidade do solo Espaçamento
40 cm
Crescimento
45 cm
Ciclo
Perene
Vigor
Médio

Dicas do agrônomo

A sálvia é uma erva bastante susceptível a doenças, principalmente a pragas de solo. Caso apresente algum tipo de podridão no colo, recomendamos que seja arrancada e uma nova muda plantada em outro canteiro ou vaso. Para evitar o aparecimento de fungos, respeite o quadro abaixo, evitando água em excesso ou plantar a sálvia em locais mal drenados.

Receitas com Sálvia

Fettuccini com kani e ervas
Macarrão com funghi seco
Frango ao Iogurte e Sálvia